UNTC-CS quer aumento salarial para os trabalhadores de pelo menos 2%

PorAilson Martins, Rádio Morabeza,30 set 2021 14:35

Conferência de imprensa da UNTC-CS
Conferência de imprensa da UNTC-CS Rádio Morabeza

A Secretária Geral da UNTC-CS entende que há margem para um aumento salarial de pelo menos 2%, ao contrário daquilo que diz o ministro das Finanças. Olavo Correia já descartou qualquer possibilidade de aumento salarial na função pública para 2022, face às actuais condições económicas e financeiras do país.

A líder da central sindical, Joaquina Almeida, refere que o Orçamento do Estado para 2022 prevê um aumento do PIB de 3,5% a 6% e uma taxa de inflação de 1,5% a 2%.

A sindicalista falava hoje aos jornalistas, sobre as decisões saídas da reunião do Conselho de Concertação Social que decorreu ontem na cidade da praia.

“O Governo alega que não tem recursos para o aumento salarial. A UNTC-CS rebateu o Governo e apresentou uma outra proposta de redução da carga fiscal dos trabalhadores, o IRPS e o aumento do mínimo de existência de 35 mil para 50 mil escudos. Com esse Orçamento de Estado para 2022, o PCCS da Administração Pública vai continuar congelado”, explica.

Joaquina Almeida avança que o Orçamento do Estado para 2022 prevê a criação de cerca de 10 mil empregos, que no seu entender é ilusório tendo em conta que, segundo diz, são a recuperação dos empregos perdidos no quadro do COVID/19.

A Secretária Geral da UNTC-CS apoia a continuidade do lay-off, mas defende que deve ser para todas as empresas em dificuldades e não apenas para o sector do turismo.

"Qualquer medida que o governo tomar não pode discriminar as empresas, todas estão em dificuldades, algumas estão encerradas, e tomando uma medida discriminatória, quem sofre as consequências são os trabalhadores, que serão despedidos, e passarão a ter dificuldades, por isso, nós defendemos a nossa posição de que todas as empresas em dificuldades, que cumpram os requisitos devem ter direito ao lay-off ", avança.

O Orçamento de Estado para 2022, deverá rondar os 72 milhões de contos e prevê um crescimento económico de 6%, a criação de cerca de nove mil empregos e a redução da taxa de desemprego para 14%.

A dívida pública deve diminuir ligeiramente, passando dos actuais 156% do Produto Interno Bruto para 150,7% do PIB.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Ailson Martins, Rádio Morabeza,30 set 2021 14:35

Editado porAndre Amaral  em  4 dez 2021 23:21

pub.

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.